Formação de Portugal

A conquista de um castelo

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um dia, os cristãos foram conquistar um castelo que estava na posse dos mouros.
Quando lá chegaram construíram uma torre de assalto e encostaram-na ao muro do castelo mas os mouros repararam nisso e deitaram fogo à torre. É que os cristãos com pressa esqueceram-se de meter ramos de folhas verdes à volta da torre para evitar que a torre ardesse assim tão rápido e alguns soldados morreram.
Então construíram aríetes e catapultas mas os arqueiros do castelo lançaram setas incendiárias e destruíram quase todas as máquinas construídas, menos o aríete.
Foram construídas minas mas que também não resultaram.
Os cristãos redobraram os esforços, construíram mais catapultas e atiraram bolas a arder para dentro do castelo.
Depois de algum tempo, os mouros levantaram a bandeira branca e aquele território foi incuído no Condado Portucalense.

Rui Correia, nº 18, 5ºE

Categories: Formação de Portugal | Deixe um comentário

Cerco ao Castelo

Castle6-final

 

 

Na reconquista cristã, foram utilizadas diversas máquinas de guerra nos ataques aos castelos: a torre de madeira, o aríete e a catapulta. Eram construídas no próprio local durante o tempo que durava o cerco.
As catapultas serviam para lançar pedras, objetos a arder e até animais mortos para provocar doenças dentro do castelo cercado.
As torres de madeira eram encostadas às muralhas dos castelos para permitir a entrada de um grande número de guerreiros.
O aríete servia para derrubar a porta principal do castelo.

André Azevedo – 5º C
Nelson Sousa – 5ºC

Categories: Formação de Portugal | Deixe um comentário

Catapulta

catapulta

Catapulta construída pelo Nelson Miguel Sousa do 5º C

Categories: Formação de Portugal | Deixe um comentário

Formação de Portugal

Categories: Formação de Portugal | Deixe um comentário

Dos muçulmanos à formação de reinos cristãos e de Portugal

Em 711 (séc. VIII), os muçulmanos (Mouros) invadiram a Península Ibérica. Os mouros não chegaram a conquistar as Astúrias nem os Pirenéus, pois eram zonas frias e montanhosas, o que era o contrário das suas vivências pois vinham  de zonas de calor e de muita planície (deserto).

Eles expandiram-se para espalhar a sua religião (Islamismo), aumentar o seu território e procurar terras ricas e férteis.

O Islamismo foi espalhado por Maomé, profeta do Deus, nascido em Meca, cidade da Arábia. Tal como a Bíblia os muçulmanos tem o Alcorão ou Corão.

Os cristãos, já fartos de estar refugiados nas Astúrias, iniciaram a reconquista cristã, ou seja começaram a conquistar todos os seus territórios perdidos.

Conquistaram-se vários reinos como o de Leão e Castela.

Um dia chegaram à Península Ibérica dois guerreiros:

  • D. Raimundo
  • D. Henrique

 

D. Raimundo recebeu como recompensa de D. Afonso VI, Rei de Leão e Castela, a sua filha D. Urraca e o condado de Galiza.

D. Henrique recebeu D. Teresa e o condado de Portucale.

D. Henrique teve um filho com D. Teresa, D. Afonso Henriques (o conquistador), que conquistou  quase todo o Portugal.

Quando D. Henrique morreu passou o seu trono para a sua mulher,

D. Teresa, pois D. Afonso Henriques ainda era muito novo para reinar.

A sua mãe começou-se a aliar a Galiza, e isso provocou tristeza no condado Portucalense, por isso todo o povo apoiou D. Afonso Henriques a lutar contra a sua mãe. Essa batalha foi chamada batalha de S. Mamede. D. Afonso Henriques ganhou, ficando assim com o condado Portucalense.

Recebeu o tratado de Zamora em 1143, que era um tratado que comprovava que Portucale era um condado independente.

Conquistaram a linha do tejo muito dificilmente, pois era pouco povoada e tinha muita planície. Era muito importante conquista-la pois tinha uma barreira natural, o rio Tejo, que era difícil de atravessar.

Depois acabaram por conquistar todo o Algarve, formando assim o Portugal de hoje.

Em 1279, quando D. Dinis reinava, foi assinado o tratado de Alcanizes, que servia para definir as fronteiras de reinos.

 

Gonçalo Frias Figueiredo, 5º C

Categories: Formação de Portugal | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.